Blog

Private Banking: Qual é o melhor do país?

Private banking é um conjunto de serviços que as instituições financeiras oferecem para clientes que têm patrimônio mínimo de R$ 1 milhão. Normalmente, o atendimento prestado por esse tipo de serviço tende a ser personalizado. Em resumo, o private banking é um trabalho focado em gerenciamento de fortunas.

Grandes empresários, pessoas que receberam grandes heranças, pessoas com muitos imóveis que investiram em empresas, entre outras podem aderir ao private banking.

Melhor do Brasil

Em fevereiro de 2019, o banco BTG Pactual conquistou um reconhecimento importante com relação ao seu private banking. Ele ganhou o prêmio “Annual Private Banking and Wealth Management Survey”, organizado pela revista Euromoney. Essa revista é uma das maiores publicações globais do setor financeiro. Das 12 categorias que esse prêmio tem, o BTG Pactual venceu 10.

Veja quais foram as categorias vencidas pelo BTG Pactual nessa premiação:

  • Best Private Banking Services Overall – Brazil (prêmio principal);
  • Net-worth-specific services – Ultra High Net Worth;
  • Net-worth-specific services – High Net Worth;
  • Net-worth-specific services – High Net Worth Super affluent;
  • Asset Management;
  • Family Office Services;
  • Research and Asset Allocation Advice;
  • International Clients;
  • Succession Planning Advice and Trusts;
  • Technology.

A Euromoney possui um ranking que analisa serviços de private banking por regiões e áreas de atuação. Esse estudo abrange mais de 60 países. A qualidade e o alcance dos serviços oferecidos, além da eficiência das equipes que atendem o cliente, são os elementos que definem o ranking.

O BTG pactual também foi escolhido como melhor private banking do Brasil pelas revistas Global Finance e World Finance. Com uma gestão baseada em Wealth Management (gerenciamento de patrimônio), o BTG lucrou mais de R$ 115 bilhões de reais no terceiro trimestre de 2018.

Dados Relevantes

Em 2019, o relatório de riqueza global do Credit Suisse afirmou que mais de 2400 pessoas no Brasil têm um patrimônio acumulado de US$ 50 milhões. Esse mesmo relatório afirmou que, nesse mesmo grupo, há 59 pessoas bilionárias.

Com relação ao private banking, a maior empresa brasileira do ramo é o Itaú Unibanco Holding AS, que entre 2014 e 2019, aumentou de 25% para 30% a sua participação no mercado.

Com sede em São Paulo, o Itaú Unibanco contratou o dobro de funcionários para sua equipe de investimentos, totalizando 100 pessoas. Se contarmos as equipes de Miami-EUA e Zurique-SUI, a equipe de gerenciamento de patrimônios do banco totaliza 700 pessoas.

Entre janeiro e outubro de 2019, o capital do private banking do Itaú aumentou R$ 35 bilhões. O progresso foi absurdo, se pensarmos que, em 2018, o crescimento foi de R$ 21,5 bilhões. Ao todo, o Itaú gerencia R$ 480 bilhões em fortunas espalhadas pela América Latina.

Os dados sobre o Itaú foram divulgados pelo chefe do setor de private banking da instituição, Luiz Severiano, em entrevista para a revista Bloomberg.

O motivo para o crescimento do private banking nos últimos anos tem uma explicação bem simples: o aumento do número de milionários do Brasil. Segundo um estudo publicado pelo Credit Suisse Research Institute, nosso país ganhou 42 mil novos milionários entre 2018 e 2019.

Se pensarmos que, em 2010, só havia 36 mil pessoas com patrimônio acima de US$ 1 milhão no Brasil, esse aumento brusco chama a atenção. Contudo, a pobreza brasileira continua acima da média do planeta. Enquanto 57% da população mundial possui patrimônio abaixo de 10 mil dólares, no Brasil essa porcentagem é de 70%.