Blog

A microcapilaridade na derme papilar é incorreto

microblading fio a fio

A microcapilaridade na derme papilar desbota ou desaparece em poucos dias.

http://www.micropigmentacaocapilar.com.br/wp-content/uploads/micropigmentacao-capilar-derme-pigmento-permanente-papilar-microcapilar.jpg

Como já sabemos, a epiderme (primeira camada da pele) é a camada renovável da pele e a micropigmentação capilar nesta camada de pele não se fixa, mas sai após alguns dias, quando a pele é renovada.

O pigmento deve ser implantado na segunda camada da pele (derme) para que não saia ou se ilumine após a cicatrização.

A derme papilar é a ligação entre a primeira camada da pele (epiderme) e a segunda camada (derme).

Se o pigmento é implantado na área da derme papilar, ele também entra na epiderme (50% em média), porque a fronteira entre a derme e a epiderme é formada por saliências da camada papilar, chamadas papilas dérmicas, que correspondem às cavidades que penetram na epiderme.

Como pode ser visto na figura abaixo, as papilas são estas ondas de forma cônica (papilas dérmicas = RENOVAÇÃO (PROJETOS) DA DÉRMICA NAS EPIDEMAS), pois é impossível depositar o pigmento nesta área das ondas sem que mais da metade esteja mal localizada na camada superior (epiderme), onde o pigmento não adere.

http://www.micropigmentacaocapilar.com.br/wp-content/uploads/microcapilar-micropigmentacao-capilar-derme-papilar-reticular.jpg

Como resultado, vemos muitos casos de micropigmentação do cabelo, que após a cicatrização se torna mais leve ou quase completa, o que resulta na necessidade de muitas sessões, que nem sempre são resolvidas, isto acontece quando a microcapilaridade é realizada na derme papilar.

A camada apropriada para a deposição do pigmento na derme microcapilar é um pouco mais baixa que a derme papilar, o bom é trabalhar através da deposição do pigmento na derme reticular, tendo sempre o cuidado de não alcançar a subcutis, pois o pigmento depositado na subcutis pode mudar de cor (esverdeado) ou migrar (mancha/pintas/palha).

No microcapilar, onde o pigmento é erroneamente depositado na camada PAPILAR DERM, ele não se deposita, mas clareia muito tempo após a cura. O resultado final será um procedimento que parece claro e descolorido, o que irá superar as expectativas daqueles que se submetem à técnica.

Como o microcapilar depositou o pigmento de certa forma na camada derme reticular, uma camada mais profunda do derme papilar, ele atinge uma profundidade insensível à renovação epidérmica, exceto que não diminui após a cicatrização e apenas uma sessão é necessária para realizar o procedimento.

É, porém, um pigmento que não se deposita na camada mais profunda da epiderme, como em uma tatuagem, resultando em branqueamento e renovação prolongados, em média 2 anos. Quando o pigmento é depositado numa camada mais profunda da epiderme, na microcapilar, é utilizada a técnica da tatuagem, na qual o pigmento não é renovado, mas atinge uma camada na qual ocorre uma migração, caracterizada pela aplicação e secagem da cor na pele e a degradação da cor, tornando a cor na pele cinzenta. No entanto, os procedimentos microcapilares permanentes oferecidos na Internet e em algumas clínicas (finais / não entregues) são sensíveis a esta transformação e podem desvanecer-se e ficar verdes em poucos dias.